SANTO ANTÓNIO
NA REGIÃO DE PORTALEGRE
de Ruy Ventura
 
 
 
 
Desde finais do século XIX que Santo António é padroeiro da cidade e da diocese de Portalegre. Esta consagração veio culminar uma devoção enraizada pelo menos desde finais da Idade Média. A sua propagação terá sido facilitada pela presença na região, desde o século XIII, de um conjunto de comunidades franciscanas e pelos ditames emanados da Contra-Reforma tridentina.
Apesar destes dados, constata-se que a devoção ao santo lisboeta é sobretudo de índole popular. Em comunidades agro-pastoris ou urbanas, Fernando de Bulhões concentrou em si várias valências taumatúrgicas, concorrendo com outras devoções e substituindo inclusivé algumas delas (Santo Antão, por exemplo).
Nos concelhos de Castelo de Vide, Marvão e Portalegre esta veneração deu origem a um conjunto muito interessante de tradições, textos e obras de arte que se apresentam e analisam no livro agora publicado.
 
 


 
No decurso da apresentação, no passado dia 13 de Julho de 2013, do meu livro Santo António na região de Portalegre, cumpre-me agradecer a presença das muitas dezenas de pessoas que tiveram a amabilidade de assistir a este acto de rememoração e homenagem ao padroeiro da cidade e da diocese de Portalegre e Castelo Branco. Entre os presentes, permito-me destacar D. Antonino Dias, prelado diocesano, a Dra. Adelaide Teixeira, presidente da Câmara Municipal, e o Prof. Dr. António Camões Gouveia, coordenador científico da Fundação Robinson. Devo ainda referir o cónego Bonifácio Bernardo, deão do Cabido da Sé, bem como os drs. José Pinto Leite, Jaime Azedo e Luís Pargana, além de outros investigadores, amigos e familiares que não listo, pois estão num lugar alto que não precisa de menção verbal. Terminando, quero ainda expressar a minha gratidão emocionada pelas palavras que me foram dirigidas pelas escritoras Maria Guadalupe Alexandre e Maria Tavares Transmontano, minhas conterrâneas de Carreiras.





Todos os interessados na leitura do meu livro "Santo António na região de Portalegre" que não conseguiram um exemplar na sessão de lançamento, poderão pedi-lo à Fundação Robinson, pelo email fund.rob@cm-portalegre.pt. Caso não o consigam por esta via, dado que a edição é limitada, desde já comunico que em breve estará disponível em formato digital no sítio da entidade que o publicou.

O "download" do livro pode ser feito em: http://www.fundacaorobinson.pt/publicacao,69,399,detalhe.aspx

Sem comentários: