segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Lenda da Moura do Reguengo

(Reguengo)



Versão de Reguengo (Portalegre), recolhida por Manuel António Sequeira e publicada por Maria Tavares Transmontano (1997) – Subsídios para a Monografia de Portalegre, Portalegre, Câmara Municipal de Portalegre: 132 – 133.



Ao lado da ermida de S. Mamede nasce um ribeiro chamado da Azenha Queimada. Desde de socalco em socalco, até despenhar-se de cascata em cascata, sobre uma massa rochosa, com metro e meio de profundo, um de largura e dois de comprimentos.

A lenda diz que está ali uma moura encantada.

As mulheres diziam com convicção que em certos dias viam olhos de azeite e bocadinhos de alface à superfície da água.

Certo dia, um homem que vinha dos lados da ermida passou junto à cova da moura, e viu uma jovem duma beleza que nunca tinha visto. Tão surpreendido ficou, que mal lhe disse: “Deus te salve”.

A jovem disse-lhe:

“Sei que és boa pessoa, e a tua mulher também. Leva-lhe este cinto para ela usar.”

O homem agradeceu, e pôs-se a caminho. Ao entrar no souto da Quinta da Relva, deparou com um castanheiro que tinha uma pernada quase a tocar no chão. Resolveu pôr o cinto em volta dela, para ver o efeito que iria causar, quando a mulher o pusesse. De repente, o ramo onde tinha posto o cinto partiu-se. E o homem repetiu: “Meu Deus, se o tivesse posto à minha mulher!”

Imediatamente ouviu a moura dizer:

“Ingrato, que dobraste o meu encanto!”

O homem fugiu cheio de medo.

Diz a lenda: se o homem tivesse levado o cinto e a mulher o tivesse posto, nesse momento quebrava-se o encanto da moura, seguindo ela o seu destino.

Assim, ficou novamente a moura encantada, até que se lhe depare nova oportunidade.

3 comentários:

Anónimo disse...

Foi com uma certa surpresa que vi neste artigo uma das lendas que o meu Pai nos contava desde pequeninos/a, dezanove anos depois da Sua partida. Também me emocionou ao vê-lo imortalizado através deste artigo do Arquivo do Norte Alentejano sobre uma terra que ele muito amou e algumas iniciativas tomou, como a contestação à localização antiga da estátua do Rei D. João III, fundador de Portalegre. Não só revi esta lenda, como a da Lenda da Herdade da Cabaça tão bem descritas.

Lucinda Trindade Sequeira T. Silva

Ruy Ventura disse...

Obrigado pelo seu comentário. Grão a grão podemos todos fazer algo pela preservação da nossa memória.
Abraço!
Ruy Ventura

Manuel Sequeira Constantino disse...

Um abraço à minha prima Lucinda.
Não sei se o pai também lhe contou uma história sobre a história do Reguengo.
Contou-me um dia que no tempo feudal o Reguengo era constituido por dois feudos, o dos Canatarinhos e o do Briando e que as relações entre ambos não eram as melhores. Tanto assim que certo dia se travaram de razões e um deles (já não me lembro o qual) cortou a cabeça oa outro (não completamente) e foram a correr atrás um do outro até à Cruz das Mós onde o degolado sucumbiu...É uma contribuição que prova mais uma vez a cultura do meu querido tio e padrinho.
Não sei se alguém alguma vez ouviu esta história... o testemunho aqui fica para algum eventual investigador histórico que se interesse.

Pesquisar neste blogue

Etiquetas

Arquivo do blogue

CASTELO DE VIDE CONVENTO DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO "Tem esta villa Convento dos Recoletos de sam Francisco fumdado e do...