[Ao entrar no cemitério]




"Cruz das Almas", no cemitério de Carreiras (Portalegre)

[Deus vos salve, corpos santos]



1

Versão de Carreiras (Portalegre), recolhida e publicada por Maria Tavares Transmontano (Transmontano, 1976: 127). Transcrição rectificada por Rui Pedro Ventura.



Deus te salve, ó finado,
Que estás por baixo de mim.
Tu já foste como eu
E eu hei-de ser com’ a ti.
Tu pede a Deus por mim
Que eu peço a Deus por ti. (1)



2

Versão de Carreiras (Portalegre), recitada por Cesaltina Esperança Mena (n. 1921) e recolhida por Rui Pedro Ventura em 2001.



Deus vos salve, corpos santos,
Que já foram como nós.
Pécim a Deus por mim,
Que eu rezarei a Deus por vós.



3

Versão de Carreiras (Portalegre), recitada por Rosária da Conceição Pedro (1926-2008) e recolhida por Rui Pedro Ventura em 1994.



Deus vos salve, ó almas santas,
Que já foram como nós,
Peçam a Deus por nós
Que peço a Jesus por vós.



(1) Esta versão, a mais antiga, era recitada quando se entrava na igreja, ou seja, no tempo em que os enterramentos aí se faziam. Era antecedida pela oração de entrada no templo, “Deus te salve, casa santa”, e terminada com a fórmula de conclusão: “Quem a souber que a diga, / Quem a não souber que a aprenda, / Que no Dia do Juízo / Lá terá quem na pretenda.” Trata-se de uma oração cripto-judaica, uma versão da “oração dos mortos” ou de “entrada no cemitério” dos cristãos-novos de Belmonte, publicada por Samuel Schwarz: “Deus vos salve lá passados, / fostes vivos como nós, / nós seremos como vós, / lá nesse céu onde estais / pedi ao Senhor por nós, / que, neste vale de lágrimas, / pediremos ao Senhor por vós.” (Schwarz, 1925: 96 – 97).

Sem comentários: