sexta-feira, 18 de julho de 2008

DESPIQUE ENTRE MARIDO E MULHER (1)

Versão de Fortios (concelho de Portalegre). Transcrição de Ruy Ventura.


CANTIGA

"Deus te salve mulher ingrata, que estás muito bem deitada,
Nem o jantar me tens feito, estás uma bela empada."
"Por que me chamas empada? Diz-me: que mal te fiz eu?
Por não ter o jantar pronto, tu podes comer do meu.
Além de não ser bom, será assim igual ao teu."
"Tu eras mal empregada de não teres um bom jantar.
Tu deitada à boa vida e eu farto de trabalhar.
Ainda não digas, velhaca, que eu te hei-de governar."
"Pois se tu assim não querias, não tomasses tal estado.
Quer de noite, quer de dia, dois meninos ao meu lado.
Ainda te parece, marido, que é pequeno o meu fado."
"Oh, que grande trabalhadeira, com dois meninos que tem.
A tal tem seis e sete, tratam deles como as mães
[..............................] alinham os maridos também."
"Pois se tu assim não querias, não pedisses à minha mãe
Sem falares com o meu pai [............................................].
Por isso te digo, marido, vai-te embora, não te quero mais."

Sem comentários:

Pesquisar neste blogue

Etiquetas

Arquivo do blogue

RAÍZES DE ALGUNS SANTUÁRIOS  DO NORTE ALENTEJANO A minha comunicação deste ano no Congresso Internacional "Terras de Endov...