terça-feira, 9 de setembro de 2008

RESSURREIÇÃO?


Alguns julgavam-na doente. Outros, já moribunda. Um número deconhecido, mas decerto apreciável, morta e enterrada, embora sem funerais públicos. De facto, uma revista que demora anos e anos a ser publicada inspira cuidados entre os seus leitores. Silêncio quebrado, A Cidade aí está de novo. De boa saúde? O futuro falará… A demora na saída deveu-se, segundo o seu director, a dificuldades no “processo de preparação, contactos e coordenação”. Retira quaisquer responsabilidades à patrocinadora Câmara Municipal de Portalegre que, na opinião (exagerada, mas compreensível) de António Ventura, tem dado “prioridade” às “coisas da cultura” (palavras pouco ou nada partilhadas por muitos portalegrenses que, com desgosto, reconhecem a pobreza dos últimos tempos de gestão municipal da Cultura, com espectáculos no meio de um quase-deserto noutras áreas que mereceriam a sua atenção e interesse).


Oito anos sem publicação deixam as suas marcas. Embora o elenco dos artigos seja globalmente interessante, o conjunto ressente-se na qualidade da revisão dos textos, pois neles se mantiveram marcas de um tempo de redacção excessivamente anterior ao da publicação. Se esse problema não afectou a sua qualidade, tornou-os, no entanto, desfasados em relação à data da revista (2008). A responsabilidade não será decerto de alguns autores, que os terão entregue há mais de meia-década…
Demografia histórica, milagres da Virgem de Guadalupe, paisagem medieval, azulejaria, José Régio, António Sardinha, São Bento de Avis e Galiano Tavares são os temas abordados neste número – num ordenamento espacial na revista de difícil compreensão. Entre eles permito-me destacar o texto sobre os azulejos do convento de S. Bernardo, da autoria de Rosário Salema de Carvalho (que assim continua o estudo deste capítulo da História da Arte na região de Portalegre, no seguimento da investigação dos painéis do Salvador do Mundo, em Castelo de Vide), e um ensaio de Carlos Garcia de Castro intitulado “José Régio e os rapazes do meu tempo” que, a dado passo, refere – como recado a muitos que gostam de citar a “Toada de Portalegre” como interesseiro emblema da cidade:
“[…] É hábito falar-se aqui dum José Régio combinado com a Toada, pelo título da Toada… que lá escreve: Portalegre. Pois pudera! Muitos o fazem de assistência e de função. Mas de Régio só conhecem o nome deste Poema, cuja qualidade própria se expande noutros Poemas e problemas, esses ‘inexistentes’, porque não dizem: Portalegre. Quem nada sabe de Arte (literária ou outra, como acontece) faz da Toada elogio, de proveito ou de Turismo. Porque a ideia com que Régio ficou desta mentalidade (indiscutivelmente enervante), e seu correspondente juízo de gente e população, não é na Toada que no-lo revela, não em poema, mas em prosa de novela, a crónica magistral de Davam Grandes Passeios aos Domingos. Já conhecia e tinha avaliado a alma vicinal de Portalegre, para não querer confundir-se com ela.”

1 comentário:

EM PORTALEGRE CIDADE DO ALTO ALENTEJO disse...

Boa noite,
Novo blogue da cidade de Portalegre, "Em Portalegre Cidade do Alto Alentejo", visite-nos em:
portalegrecidadedoaltoalentejo.
blogspot.com

Pesquisar neste blogue

Etiquetas

Arquivo do blogue

JUDEUS E CRISTÃOS-NOVOS DE CASTELO DE VIDE em livro imprescindível O Laboratório de Estudos Judaicos vai editar mais dois volumes...