sexta-feira, 18 de julho de 2008

MARIQUINHAS

Versão de Portalegre. Recitada por Maria Emília Miranda Franco, de 62 anos, natural de Reguengo (concelho de Portalegre). Recolha de Fernanda Franco em Novembro de 2000. Transcrição de Ruy Ventura.


"É chegada a ocasião de encontrar a quem eu queria.
Como passas, Mariquinhas, há muito que ná te via?
Agora que aqui te vejo, já tenho mais alegria."
"Que lhe importa como eu passo, sempre é bem impertinente.
Passe bem ou passe mal, o meu corpo é que o sente."
"Ai, se tu soubesses Mariquinhas, não me falavas assim.
Eu gosto muito de ti, tu é que não gostas de mim.
Dá-me a tua direita mão para séculos sem fim."
"Tenho duas, se lhe dou uma, decerto que fico mal,
Fico maneta de um braço, tenho que ir para o hospital."
"Não é assim como dizes, é falta de entendimento,
É um laço que se dá quando há um casamento.
Dá-me a tua qu' eu dou-te a minha para o nosso arrecebimento."
[..................................................] [.............................................]

Sem comentários:

Pesquisar neste blogue

Etiquetas

Arquivo do blogue

JUDEUS E CRISTÃOS-NOVOS DE CASTELO DE VIDE em livro imprescindível O Laboratório de Estudos Judaicos vai editar mais dois volumes...